doenças sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis são problemas de saúde pública no mundo

Depois do surto de peste bubônica, episódio conhecido como Peste Negra, que matou um a cada três habitantes do continente europeu entre os anos de 1347 e 1351, o aparecimento de casos de uma nova e misteriosa doença, em 1495, durante a invasão de Nápoles pelas tropas do rei francês Carlos VIII, gerou um nível de preocupação e medo similar ao experimentado no século XX, quando foi descoberto o HIV. 

A Europa estava em franco processo de desenvolvimento e a mudança de hábitos – inclusive sexuais – gerou consequências, já que a transmissão era por meio do ato sexual e velocidade de contaminação espantosa. Em pouco tempo, o “mal”, que recebeu o nome de sífilis, espalhou-se pelos países e passou a “habitar” bordéis, castelos e até monastérios. 

Nesse contexto, a bactéria causadora – Treponema pallidum – só foi identificada em 1905 e o primeiro tratamento efetivo foi descoberto em 1910. A cura, por sua vez, só veio em 1945 com a penicilina.

IST

No aparecimento da sífilis, a doença foi chamada de venérea pela forma de contato. O nome dado por um médico francês é uma referência à deusa romana do amor Vênus. No século XX, esse conjunto de problemas de saúde foi chamado de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e, no Brasil, atualmente, são as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Independentemente do nome, até hoje, elas são um problema de saúde pública de âmbito mundial e também no Brasil, onde o comportamento de risco aumentou o número pessoas infectadas em 2018.

Sabe-se que, além de bactérias, esses males também são causados por vírus e outros microrganismos e que, da sífilis, a lista de tipos aumentou consideravelmente desde a primeira referência, no século XV, e nos dias de hoje inclui herpes genital, gonorreia, tricomoníase, infecção pelo HIV, infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV), hepatites virais B e C, infecção pelo vírus linfotrópico de células T humanas (HTLV).

O que não mudou nessa história toda foi a forma de contágio: pelo contato sexual (oral, vaginal e anal) sem uso de camisinha masculina ou feminina, por meio de uma pessoa infectada. A transmissão também pode ocorrer de forma vertical para a criança durante a gestação, no parto ou durante o período de amamentação quando medidas de prevenção previstas não são realizadas.

Além da prevenção, o que pressupõe a mudança de conduta sexual no que se refere ao uso de preservativos e a uma maior atenção a procedimentos como o exame do pré-natal, apenas o diagnóstico e o tratamento efetivo podem melhorar a qualidade de vida do paciente, interromper a cadeia de transmissão e evitar problemas de impacto coletivo, como aumento dos índices de infertilidade, complicações durante a gravidez e o parto e a contaminação congênita de mãe/pai para filho.

No Brasil, as bases para prevenção, diagnóstico e tratamento das IST`s estão bem estabelecidas. O modelo de vigilância epidemiológica é composto por notificação compulsória, serviços sentinela e estudos transversais em determinados grupos populacionais. Além da AIDS, provocada pelo vírus HIV, também são acompanhados os casos de HIV em gestantes, hepatites virais, sífilis em gestantes e adquirida e, ainda, síndrome do corrimento uretral masculino. Em todo território nacional, a notificação compulsória da sífilis congênita, da sífilis em gestantes e da sífilis adquirida teve início em 1986, 2005 e 2010, respectivamente.

Diagnóstico de IST

Cada IST tem o seu sintoma específico. De forma geral, essas infecções se manifestam por meio de feridas, corrimentos e verrugas anogenitais que podem ser acompanhadas por dor pélvica, ardência ao urinar, lesões de pele e aparecimento ou aumento de ínguas. Predominantemente, os sinais característicos aparecem no órgão sexual (masculino ou feminino), mas podem se manifestar em outras partes do corpo também, como palma das mãos, olhos e língua. 

Para identificar uma IST no estágio inicial é preciso que o indivíduo observe o próprio corpo durante a higiene pessoal. Quando houver alterações, é recomendado procurar o serviço de saúde, independentemente de quanto tenha ocorrido a última relação sexual e, quando indicado, avisar a parceria para que também procure atendimento médico.

Fonte: Celer